Especial Stanley Cup – Chicago Blackhawks


por Jordan Marciano

Após uma campanha memorável que resultou nos títulos da Presidents´ Trophy e da Conferência Oeste nesta temporada de 2012/2013, o Chicago Blackhawks vem para a decisão da Stanley Cup contra o Boston Bruins, campeão da Leste. O time de Illinois, tetracampeão em 2010, aposta na velocidade do seu ataque e a média de 3.1 gols por jogo na busca do pentacampeonato da competição. A grande final da National Hockey League (NHL) acontece na série melhor de 7 jogos, com início pelo game 1 nesta quarta-feira (12), no United Center.

1o

Temporada regular

Com o lockout por problemas administrativos na liga que cancelou diversos jogos da temporada regular, todas as equipes tiveram problemas de planejamento. Os Hawks, no entanto, foram ao gelo com força e tiveram o embalo de Janeiro como crucial na confiança e entrosamento dos jogadores para toda a NHL.

Depois de atropelar os oponentes no primeiro mês do ano com autoridade, a equipe conheceu a primeira derrota no dia 30, quando um shootout para o Minnesota Wild resultou o placar de 3-2 aos selvagens. Mesmo assim, o time de Illinois manteve a larga sequência de vitórias e perdeu no tempo regulamentar pela primeira vez somente no dia 8 de março, quando o Colorado Avalanche arranjou uma goleada por 6-2.

(Durante a fase de classificação para os playoffs, os Hawks foram praticamente imbatíveis. Foto: Divulgação/NHL)

(Durante a fase de classificação para os playoffs, os Hawks foram praticamente imbatíveis. Foto: Divulgação/NHL)

O principal destaque da equipe foi a boa execução de todos os fundamentos do hóquei. Na defesa, os goleiros Corey Crawford e Ray Emery revezaram durante a temporada, mas tiveram êxito nas defesas importantes que ajudaram os Hawks, o que resultou em uma média de 1.94 gols sofridos de cada goalie. Enquanto isso, Johnny Oduya, Brent Seabrook e Michal Rozsival trabalharam de maneira eficiente contra os principais atacantes adversários do Oeste.

Já no setor ofensivo, Patrick Sharp e Marian Hossa foram os nomes de reconhecimento no time, mas não superiores ao right wing Patrick Kane, que comandou Chicago com 55 pontos, 23 gols e 32 assistências durante a fase de classificação.

Apesar de alguns tropeços durante a caminhada regular do campeonato, os Blackhawks tomaram a liderança na tabela e se classificaram para os playoffs com um cartel de 36 vitórias, 7 derrotas e 5 vitórias em Overtime ou Shootout. Tudo isso garantiu a taça da Presidents´ Trophy, já que a equipe somou 77 pontos, o maior número alcançado por uma equipe nesta temporada, e superou o Pittsburgh Penguins, campeão do Leste com 72 pontos.

Quartas de final

Com a primeira vaga do Oeste, os Hawks enfrentaram nas quartas de final o Minnesota Wild, classificado em 8º lugar. Não houve problemas para Chicago, que precisou de 5 partidas para fazer 4-1 na série. Houve vitória apertada do Blackhawks por 2-1 na primeira partida, com um backhand de Bickell aos 4 minutos do Overtime. Porém, o time do Minnesota não suportou a forte pressão adversária e cedeu o segundo jogo, novamente no United Center, com derrota por 5-2.

(Nas quartas, o Minnesota Wild foi abafado por Chicago. Foto: Divulgação/NHL)

(Nas quartas, o Minnesota Wild foi abafado por Chicago. Foto: Divulgação/NHL)

Durante o game 3, Chicago seguiu na mesma estratégia, mas Minnesota tinha o apoio do seu torcedor, o que causou a sobrevivência do oitavo colocado, após uma vitória por 3-2 no tempo extra, com o gol da vitória anotado por Jason Zucker. Em contra partida, os Hawks se reorganizaram no jogo 4, deixaram de oferecer oportunidades ao oponente e garantiram o shootout de Crawford, que defendeu todos os 25 disparos do Wild e ajudou na vitória por 3-0. Com 3-1 na série, Minnesota não teve forças de reação e levou o golpe final no jogo 5, em Chicago. Na ocasião, os donos da casa atropelaram e fizeram 5-1 no marcador, para a festa dos fãs com a vaga nas semis.

Semifinal

Ao mostrar facilidade na fase anterior, era questionável se haveria alguma equipe capaz de trazer perigo aos Hawks nestes playoffs. O time que chegou mais perto de eliminar Chicago foi o Detroit Red Wings, que havia se classificado na 7ª posição e despachado o Anaheim Ducks, vice-campeão regular, nas quartas.

No primeiro jogo, tudo aconteceu como o que já tinha sido visto. Chicago com um estilo de jogo agressivo e de velocidade. Hossa abriu o placar no primeiro tempo, mas Brunner empatou e a partida foi decidida apenas no último período, quando Oduya, Kruger e Sharp garantiram 4-1. Porém, a história mudou no game 2, pois Detroit surpreendeu a torcida do United Center e devolveu o 4-1 sofrido na estreia das semis. A situação dos Blackhawks piorou no terceiro jogo, quando Detroit entendeu a estratégia do adversário e virou a série com vitória por 3-1.

(A equipe de Detroit foi a única que chegou perto de eliminar Chicago. Mesmo assim, os Wings caíram no game 7. Foto: Divulgação/NHL)

(A equipe de Detroit foi a única que chegou perto de eliminar Chicago. Mesmo assim, os Wings caíram no game 7. Foto: Divulgação/NHL)

O quarto jogo foi importante, pois a terceira vitória dos Wings, por 2-0, fez Chicago entrar em grande risco de ser varrido da série e possibilitou que a equipe de Illinois acordasse no gelo e se reerguesse como o grande campeão da Presidents´ Trophy. Com isso, uma nova goleada por 4-1 aconteceu durante o game 5 e um placar de 4-3 de virada no sexto jogo levou a série para o game 7, que trouxe alegria para Chicago. A desvantagem de 3-1 na série foi revertida em 4-3 favoráveis e a presença na final da conferência oeste. A última vitória veio com esforço, depois que Seabrook anotou o gol no overtime e determinou 2-1 no placar aos Hawks.

Decisão Oeste

Para a grande final do Oeste, os Hawks bateram de frente com o atual campeão da Stanley Cup, o Los Angeles Kings. O time da Califórnia havia superado o St. Louis Blues nas quartas e o San Jose Sharks, na semifinal. No primeiro duelo, Chicago começou em desvantagem no primeiro tempo, mas reagiu e virou o marcador com Sharp e Hossa. O conforto na série aumentou quando os Blackhawks garantiram a segunda vitória em casa, desta vez com mais tranquilidade e 4-2 no placar.

No momento em que a série foi para Los Angeles, os Kings ameaçaram respirar, já que o time fez um jogo compacto, aproveitou a inspiração do goalie Jonathan Quick e venceu o adversário por 3-1. Porém, no game 4, os Hawks se acostumaram de jogar com a pressão de LA e não deram chances aos reis como no confronto anterior, o que resultou em uma partida bem disputada, mas com alegria dos Hawks, que fizeram 3-2 no placar e 3-1 na série. O ultimato ocorreu no quinto game, com uma vitória difícil em um dos duelos mais demorados dos playoffs. Mas o brilho de Patrick Kane, que fez 3 gols e garantiu o título da oeste depois do wrist shot, aos 9 minutos da segunda etapa da prorrogação, permitiu aos Hawks vencer por 4-3 e fazer a decisão da Stanley com o Boston Bruins.

Principais Armas

O Chicago se tornou uma equipe de grande consistência e difícil de ser vencida devido a sua habilidade em trabalhar com eficácia tanto na defesa como no meio e no ataque. O time usa a agressividade e inteligência na marcação dos adversários, ao mesmo tempo que sabe criar jogadas e manter o puck na zona ofensiva com Kane, Hossa e Sharp e Duncan Keith, que apareceu nos playoffs para se tornar o atleta com 8 assistências, maior número na fase decisiva da Stanley Cup.

Jogadores de Destaque

Patrick Sharp: O canadense de 31 anos carrega o puck de forma diferenciada, surpreende os guarda redes das outras equipes e por isso sustenta a artilharia dos Hawks nos playoffs, com 8 gols

Patrick Kane: Heroi da Stanley Cup de 2010, Kane foi destaque na temporada regular e traz perigo aos adversários com a sua habilidade no stick.

Marian Hossa: É um jogador de grande importância ofensiva na linha de Chicago. Por curiosidade, Hossa bate de frente na final da Stanley com o seu vizinho e amigo, o defensor dos Bruins Zdeno Chara.

(Na final do Oeste, Kane explodiu o United Center com o gol no overtime. Foto: Divulgação/NHL)

(Na final do Oeste, Kane explodiu o United Center com o gol no overtime. Foto: Divulgação/NHL)

Anúncios

Publicado em 12 de junho de 2013, em NHL e marcado como , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: