Grandes Campeões: Análise tática Atlético-PR 2001


por Daniel Malucelli

Esta será a primeira matéria, de uma série, analisando os grandes times que marcaram época no futebol, com títulos, conquistas e grandes jogos. E para começar, o primeiro homenageado será do futebol nacional. O Atlético-PR de 2001, campeão brasileiro. O time que conquistou o título mais importante da história do clube realmente jogava muita bola!

Campeões nunca mais serão esquecidos pela torcida (Foto: Reprodução Globoesporte)

Campeões nunca mais serão esquecidos pela torcida (Foto: Reprodução Globoesporte)

Esquema Tático

Flávio; Gustavo, Nem e Rogério Corrêa (Igor); Alessandro, Fabiano, Cocito, Kléberson e Adriano Gabiru (Souza); Alex Mineiro e Kléber Pereira (Ilan). Técnico: Geninho.

Obs: Este é o time base do Atlético-PR de 2001. Eventualmente o time variava conforme lesões, suspensões e mudanças táticas do treinador.

Encaixou. Esta pode ser a palavra usada para descrever este time. A base havia sido mantida após uma boa campanha na Libertadores de 2000, em que o Furacão foi eliminado nos pênaltis para o xará Atlético-MG, na oitavadas de final. No ano seguinte chegaram duas peças cruciais. O atacante Alex Mineiro e o técnico Geninho, naquele que seria o maior time que o treinador montou.atlético 2001

Primeiro Geninho deu um padrão ao time, com mais ofensividade, mesmo jogando no 3-5-2. Os dois alas, Fabiano e Alessandro chegavam muito à linha de fundo, e ainda voltavam para marcar. Na zaga, três zagueiros que tiveram o melhor ano de suas carreiras. O zagueiro Nem jogava no miolo de zaga e saía para dar combate e ajudar Cocito no meio. Aliás, muitas reclamações dos adversários por causa das faltas da dupla, que literalmente levantavam os adversários com suas “chegadas fortes”.

O goleiro Flávio tinha a confiança de torcedores, jogadores e diretoria. Kléberson era a joia paranaense da época. Mobilidade era sua característica principal. Tanto que Felipão escalou o meia exatamente na mesma função, pela seleção pentacampeã do mundo de 2002.  Adriano Gabiru era um meia atacante criativo, daqueles baixinhos que incomodavam os zagueiros.  Kléber Pereira era o matador do time. Sua função era fazer gols, e foram 17 no brasileirão.

Alex Mineiro decisivo

Alex mineiro deu um presentão de natal para o Furacão: o título brasileiro de 2001 (Foto: Reprodução Globoesporte)

Alex Mineiro deu um presentão de natal para o Furacão: o título brasileiro de 2001 (Foto: Reprodução Globoesporte)

O companheiro de Kléber no ataque foi “o cara” do ano. Alex Mineiro pediu licença e entrou para a história do clube como um dos maiores ídolos da torcida atleticana.

Como explicar os 8 GOLS nos 4 JOGOS decisivos? Nas quartas ele fez um contra o São Paulo. Na semi, três contra o Fluminense, e nas finais ele marcou mais três no primeiro jogo e o único gol da vitória do título no segundo jogo contra o São Caetano. Todos no segundo tempo,  e em momentos decisivos. Contra o Flu e no primeiro jogo da final marcou nos últimos minutos.

O atacante flutuava no ataque. Com Kléber na referência, ele caia pela direita para jogar com Alessandro e Kléberson, aparecia pela esquerda para tabelar com Gabiru. Um ataque com muita movimentação. Este foi um fator determinante para o Atlético ser tão difícil de ser marcado. Alex terminou o campeonato com 17 gols.

Caldeirão e Campanha Espetacular

A nova Arena da Baixada (inaugurada na nova fase em 1999) virou um pesadelo para todos que vinham enfrentar o Furacão em Curitiba. Apenas uma derrota na primeira fase, justamente para o Fluminense, adversário na semifinal. Casa cheia e uma bela campanha do início ao fim. Com 15 vitórias, 6 empates e 6 derrotas, ficou em 2º na classificação geral atrás apenas do líder São Caetano, de Magrão, Anaílson e Mancini.

Nas quartas e nas semifinais, jogo único com vantagem de jogar em casa os melhores colocados. Furacão e Azulão se aproveitaram e chegaram as finais. Os dois melhores da primeira fase se enfrentavam, com justiça, a final do Campeonato Brasileiro.

Para os torcedores, jogos inesquecíveis. 2×1 no São Paulo, nas quartas. Depois um 3×2 em cima do Fluminense, de virada, com show de Alex Mineiro, para garantir a vaga na final.

Jogo Inesquecível

Não é apenas por ser a partida decisiva, mas pelo fato de ser realmente o grande jogo deste time. A primeira partida da final disputada na Arena foi sensacional. Digna de uma final de campeonato! O adversário era o São Caetano, que matinha uma base sólida desde 2000, quando também foi vice campeão, perdendo a final para o Vasco. Era considerado junto com o Furacão, o melhor time do Brasil.

Uma característica marcante era o segundo tempo do time. Com o apoio barulhento de sua torcida, o Atlético-PR fez a maioria dos resultados na etapa final, com viradas e gols no finzinho, deixando ainda mais emocionante o título brasileiro.

Relembre o jogo

Anúncios

Sobre Jornaleiros do Esporte

Site sobre esportes dos alunos da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Email : jornaleirosdoesporte@gmail.com Twitter : @Jesporte Facebook : http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=100002390365816

Publicado em 24 de outubro de 2013, em Análise e marcado como , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: